• Pesquisa IVV Dezembro-2016 – Setor imobiliário acena com mais arrecadação de impostos e empregos para o DF

    08/02/2017 – O setor imobiliário sinaliza com a contratação de 92,7 mil empregos diretos (22,7 mil) e indiretos somente em razão dos 145 projetos de empreendimentos aprovados pelo GDF em 2016 e que deverão ser lançados a partir de 2017. Há ainda 224 mil vagas diretas (56 mil) e indiretas para serem abertas ao longo dos próximos anos, mas isso depende desse mesmo empenho das autoridades para autorizar 221 novos projetos ainda na fila de aprovação.

     

    Os 145 empreendimentos aprovados em 2016 (dados dos associados da ADEMI-DF) representam R$ 9 bilhões em negócios; os 221 projetos na fila da aprovação podem movimentar mais R$ 22 bilhões para a área imobiliária.

     

    Habite-se

    O caixa do Governo do Distrito Federal (GDF) poderia ser reforçado com R$ 120 milhões em tributos e taxas (ITBI e ICMS principalmente) se fossem liberados, pelo próprio governo, o uso de 7.260 unidades imobiliárias para os compradores. Estes imóveis estão prontos e dependem de ‘Habite-se’ para serem ocupados.

     

    Oferta – “A oferta de imóveis novos baixou de 18 mil unidades residenciais para 8 mil nos últimos anos; é preciso repor a oferta com mais lançamentos. Já há falta de alguns tipos de imóveis no DF”, alertou o presidente do SINDUSCON-DF, Luiz Carlos Botelho.

     

    Os dados foram divulgados hoje na apresentação do balanço anual das vendas de imóveis residenciais novos no DF de 2016, conforme demonstrado a seguir:


     

    Setor imobiliário do DF melhorou desempenho de vendas em 2016

    Velocidade de vendas foi 27,5% maior do que em 2015 para imóveis residenciais novos.

    .

    08/02/2017 – Pesquisa comparativa entre os anos de 2015 e 2016 demonstra tecnicamente que as vendas de imóveis residenciais novos em Brasília recuperou ritmo de vendas. O indicador, chamado Índice de Velocidade de Vendas (IVV), em 2016 foi 5,1%, superando os 4% de 2015, um incremento de 27,5%. O setor imobiliário considera que um IVV na casa dos 5% representa uma velocidade adequada para a venda de um empreendimento imobiliário.

     

    IVV imóveis residenciais

     

     

    As empresas que participaram da pesquisa do IVV anunciaram que em 2016 venderam, em média, 214 unidades por mês; em 2015 a média mensal foi de 175.

     

    IVV Trimestral

    Os dados do final de 2016 reforçam o resultado anual: no 4º trimestre o IVV médio foi 5,6% (veja gráfico na página anterior); o de dezembro, último apurado pelo estudo, foi 5,7%. “Estamos otimistas com esta recuperação, gradativa é verdade, mas acima de tudo positiva. Esses dados estimulam investimentos por parte das empresas do setor imobiliário e gera movimentação de negócios em diversos outros segmentos do Distrito Federal”, celebra o presidente da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (ADEMI-DF), Paulo Muniz.

     

    O IVV é apurado mensalmente por meio de pesquisa realizada em conjunto pela ADEMI-DF, pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do DF (SINDUSCON-DF), com apoio do SEBRAE-DF. A coleta é feita pela pesquisa Opinião Informação Estratégica. Participaram do estudo de dezembro 33 das principais empresas atuantes no mercado imobiliário do DF.

     

    Segundo Paulo Muniz, Presidente da ADEMI-DF, as perspectivas para 2017 são otimistas, porém, o setor imobiliário precisa de ações do governo local: “com a queda da taxa Selic percebe-se um maior interesse da população pelo imóvel próprio e contamos com o empenho do Governo do Distrito Federal para aprovar novos projetos imobiliários que atendam a esta demanda”.

     

    A reivindicação, segundo ele, “faz todo sentido, se considerarmos que em 2016 houve o menor número de lançamentos de imóveis residenciais dos últimos anos. Foram apenas doze lançamentos (em 2015 foram 18 lançamentos). O mercado dá mostras claras que absorverá um número maior de lançamentos, mas é preciso ter agilidade na aprovação de projetos e também na redução da burocracia governamental para liberação de Habite-se”.

     

     

    DADOS DA PESQUISA IVV DEZEMBRO

     

    A pesquisa do IVV tem o objetivo de aferir os negócios de imóveis novos residenciais e comerciais no DF e se a velocidade com que são vendidos está de acordo com as expectativas. Há, portanto, um IVV para imóveis residenciais e um IVV para imóveis comerciais. O IVV dos imóveis residenciais em dezembro foi de 5,7% e o IVV dos comerciais foi de 1,4%.

     

    O gráfico da oferta média trimestral de imóveis residenciais, comparativo dos anos 2015 e 2016 (a seguir), demonstra que o DF se ressente de mais lançamentos imobiliários.

     

     

    Ofertas de imóveis residenciais

     

    Em 2016 a oferta média de imóveis residenciais novos no DF, entre as empresas pesquisadas, foi de 4.333, abaixo da média de 2015: 4.418 unidades. Em dezembro foram ofertadas 4.204 unidades residenciais, acima das 4.154 de dezembro de 2015 (gráfico a seguir).

     

     

     

    Vendas de imóveis residenciais

     

    As empresas que participaram da pesquisa do IVV anunciaram que venderam 240 unidades em dezembro de 2016. A venda média mensal de 2016 foi de 214 unidades.

     

    Os apartamentos mais ofertados em 2015 e em 2016 foram os com 2 quartos.

     

    As quantidades de imóveis informadas se referem aos negociados pelas empresas participantes da pesquisa e não representam o total de imóveis em oferta ou negociados em todo o DF. Os percentuais informados podem ser projetados para representação de todo o mercado imobiliário do DF.

     

    Vendas médias trimestrais de imóveis residenciais

     

     

    Valor do m² imóveis residenciais

    Entre várias informações do mercado imobiliário do DF, a pesquisa do IVV aponta a variação do preço ofertado por m² dos imóveis residenciais em cada região. Em dezembro, a Asa Norte registrou o maior valor de oferta: R$ 14.911,04; o mais baixo foi ofertado em Santa Maria – R$ 2.978,92. O valor médio do m² no DF em dezembro ficou em R$ 7.920,16.

     

    Ao longo de 2015 e de 2016 a Asa Norte figurou com o valor mais elevado para o m2 para venda; já em relação ao preço mais baixo, em 2015 houve alternância mensal entre Santa Maria, Ceilândia e Gama; em 2016, Santa Maria foi a região com valor de venda (por m2) mais barato do DF.

     

     

     

     

    Preço do m² – Imóveis residências em oferta – Dezembro de 2016

     

     

     

    IVV COMERCIAL

    O gráfico a seguir mostra a evolução do IVV dos imóveis comerciais. O https://mail.google.com/mail/u/0/#inbox/15a226d2df9a6b31?projector=1desempenho do IVV em 2016 foi inferior ao de 2015.

     

     

     

    Assessoria de Imprensa – ADEMI-DF

    Profissionais do Texto – www.facebook.com/profissionaisdotexto.com.br
    e-mail sergio@ptexto.com.br / fone (61) 3327-0050