• Não haverá mudanças no uso do FGTS

  • Por Paulo Muniz, Presidente da ADEMI-DF.

    Dirigentes e empresários da construção civil reagiram com alívio a aprovação da Medida Provisória 785, que introduziu novas regras para o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) sem comprometer recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Com 255 votos favoráveis, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou a medida, que será apreciada pelo Senado Federal no dia 17/11.

    Para os associados da ADEMI-DF, a decisão foi favorável para o setor imobiliário e da construção. Afinal, hoje o Fundo é considerado fonte fundamental para o investimento na infraestrutura urbana e em habitação. Segundo dados da CBIC, entre 2006 e 2015 o FGTS bancou 52% das unidades habitacionais financiadas em todo o País.

    O fundo é usado desde a sua criação pelos governos para fazer política no desenvolvimento urbano no Brasil. A aplicação em habitação, saneamento, infraestrutura urbana, operações urbanas consorciadas e mobilidade urbana levam melhorias à qualidade de vida da população em todo o País. O FGTS é retroalimentado promovendo mais emprego e renda para o trabalhador e riqueza para a nação.